segunda-feira, 11 de maio de 2015

Espaço




Um grande hiato em nossas vidas,
Um grande silêncio à nossa procura,
Todo um relógio para contar as horas,
Todo um calendário para sentir o tempo.

Tempo em que me tinhas,
Um só corpo.
Tempo em que me vias,
Um só olhar.
Tempo em que me sentias,
Um só coração.

As flores, os pássaros, o sol
Que nos encantavam e aqueciam,
Ficaram no tempo da saudade...
De um passado que é presente.

Espaço frio... Espaço dolorido,
Espaço amado e cuidado...
Aninhando o espaço da volta...
Da saudade?
Não.
Do amor eterno!

(Célia Rangel)


8 comentários:

  1. Que linda poesia e sempre profundas! bjs, chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  2. ~ ~ ~
    ~~~ O Amor infinito e absoluto?

    ~ ~ ~ Belíssimo poema, Célia!

    ~ ~ ~ ~ Continuação de dias
    ~~~~~ ternos e maravilhosos

    ~~~~~~~ Abraço amigo.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Celia
    Um poema sentido no coração... depois dado forma... parabéns!!!
    Seja feliz e abençoada!!!
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir
  4. Nossa, dessa vez, você caprichou pra valer, hein, Célia! Comovente. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito! Muito sentido!!
    Beijo fraterno.

    ResponderExcluir
  6. Muito dolorido, mas lindo!
    Não preciso dizer mais nada, é só abrir o coração...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Amor eterno: amor sofrido, mas valente.

    bj amg

    ResponderExcluir
  8. Amor eterno e lindo! Bela declaração! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.