sábado, 6 de junho de 2015

Flashes














Entre muitos desejos alheios
Sonhos não sonhados por mim
Fiz-me gente.

Muito precisei anular
Desaprender e buscar alternativas
Certamente bem opostas ao manual que quiseram me impor.

Subtrai desafetos multipliquei gentilezas
Abri mão de alguns adornos supérfluos em minha personalidade
Fui autêntica.

Quanto deixei ir por entre vãos dos dedos
Andei em direções inversas descobri outros caminhos
Vi, ouvi, falei, e calei-me.

Quando então fui transparente
Desvestindo alma nas emoções vividas
Mergulhei no alheio buscando-me.

Célia Rangel



8 comentários:

  1. Buscar-se, retomar-se é preciso! Lindo poema,Célia! bjs, lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  2. Sua poesia é tão intensa.
    Penso que vivemos numa eterna busca de nós mesmos.
    Beijos Célia.

    ResponderExcluir
  3. Uma genial reflexão do teu EU. Uma Poesia que nos compara nas (in)decisões que vamos tomando a cada dia.
    Parabéns, Célia



    Beijos



    SOL

    ResponderExcluir
  4. Célia, ser autêntica e viver de acordo com nossa autenticidade não é uma tarefa muito fácil em um mundo onde exige-se que todos sejam iguais, mas tenham seus diferenciais! É super contraditório e relativo.
    Também já vi diante de mim minha personalidade se anulando por questão de sobrevivência, porém, a nossa essência, está sempre ali, gritando.
    Por esse motivo preferi ser eu mesma, independente dos preconceitos das pessoas, afinal, temos que viver as nossas vidas e não a vida de outros.
    Parabéns pela poesia.
    Beijos.

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir
  5. Olá,Boa noite,Célia,
    ...quanto mais preocupados com os desejos alheios, mais anulamos nossa vontade ou caso nos arrisquemos somos acometidos por culpa, porém, a identidade de cada um, inicia se a partir da assimilação de elementos externos, buscando alternativas para a adaptação e ou incorporação em nossas vidas...até creio que revelamos um pouco de si mesmo a partir do que identificamos no outro, mergulhamos no alheio buscando-nos.
    Agradeço pelo carinho das palavras em meu blog,belos dias,beijos

    ResponderExcluir
  6. Sinval Silveira
    11:31
    1

    Célia Rangel, querida amiga !
    Teu poema, realista e corajoso, reflete um
    balanço geral dos sentimentos, renovados
    à cada dia. Parabéns, e um carinhoso abraço, aqui do Brasil.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  7. Também tive (e ainda tenho) que desaprender tantas coisas, Célia! Sorte minha que sou ótima desaprendiz. :) Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Se vivermos dentro de certa coerência, de nossas normas traçadas, da educação que recebemos, do que achamos e sentimos e do que acreditamos como diretriz para nossa vida, acho que encontramos nosso caminho, penso que cumpriremos nossa missão. Gostei muito!
    Beijo, Célia. Linda semana.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.