terça-feira, 2 de junho de 2015

Poema que se come...












Na cozinha celebra-se a poesia:
- no olhar, no sentir, no cortar,
- no preparar aos queridos o que partilhar.

Cada folha/fruto, em seus diversos tons,
cada tempero que provoca o paladar e,
define o sabor,
Em cheiros, aguça o degustar,
para devorar o que o corpo pede.

A imagem do humano se define no desejo do comer,
ou só em ver e, abster-se, por não gostar ou não poder.

As uvas estão verdes!

Aquilo que um olhar projeta faz poesia na intimidade.

É nesse laboratório onde se reúnem pessoas e seres diversos:
- bocas sedentas,
- mãos que se tocam
- na busca do alimento
- para corpo e alma...

O servir e ser servido.
O doar e o receber.
No envolvimento da entrega em que ferve
no fogo das paixões enrustidas...
Surge o palco de grandes espetáculos.
Com pessoas, seres famintos de um querer bem
Frutos suculentos e marcantes de toda uma vida.


Célia Rangel

13 comentários:

  1. Que lindo,Célia! Bela inspiração e real,mente na cozinha a poesia pode aparecer! bjs, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amiga Célia, que lindo poetar, tudo vira poesia e inspira o poeta/poetisa!
    Comida é fundamental, são dos alimentos que se tira nossa capacidade de ser saudável e poder pensar, criar, fazer tudo ficar harmonioso e prazeroso!
    É entre familiares e amigos que em volta da mesa se troca ideias, se faz a paz, o amor, e a medicina chinesa diz que, preparar alimentos com amor é tudo de bom para preservar a saúde física e mental nossa e dos nossos convivas!
    Amei ler, sua linda inspiração nos premia nesse lindo dia!
    Abraços amiga sempre querida!

    ResponderExcluir
  3. Cozinhar é um ato de amor!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Que lindo Célia querida, a alquimia da cozinha é pura poesia.
    Um abraço e parabéns pelo lindo poetar...

    ResponderExcluir
  5. Célia, um bom escritor, é força alguém que ama o requinte da boa mesa. A decoração do prato, considero poesia. Os copos têm importância no sabor das bebidas. Adorei o poema!

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Que Belo essa analogia da poesia com a cozinha, e realmente, cozinhar é poesia! abraços

    ResponderExcluir
  7. Seu passeio pela culinária lhe rendeu uma bela inspiração. Colocou o prazer e a união dentro de um querer que extrapola folhas e frutos, mas que com ele convivem, harmoniosamente. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Fantástico, Célia.
    Uma analogia que somente poderia brotar da mente de uma poetisa sensível e que observa a culinária com um olhar além dos alimentos.
    De fato, em tudo há poesia, basta que se tenha percepção para extraí-la.
    Adorei! Um poema bem degustável.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. É, de facto, poesia para comer, Célia! Quase senti os gostos e os cheiros e o paladar... Grande mestre da escrita, sim senhora!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Adorei!
    Ainda ontem, estava lendo um pequeno texto de Mario Sérgio Cortela que diz o seguinte:
    " A finalidade de fazer pamonha não era comer pamonha, mas ficar junto ( no longo do processo que a pamonha era preparada). Nós paramos de fazer pamonha e, portanto, paramos de ficar juntos, e aquilo que foi a despamonhalização do mundo, foi acompanhado da miojização da vida, isto é, vida miojo: namoro miojo, casamento miojo, sexo miojo, leitura mijo, universidade miojo, convivência miojo.
    Precisamos retomar esse "laboratório", como você bem diz, de sentimentos e relacionamentos.
    Beijos e tenha um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  11. Olá Célia!
    Vim te visitar pelo blog da Chica.
    Também lembrei, ao ver a vassoura, do Jãnio Quadros.
    Ao chegar aqui e ler a poesia sobre comer, eu fiquei muito feliz, pois adoro comer e cozinhar! E cozinhar para mim é mesmo poético!
    Um beijo e boa tarde de domingo.

    ResponderExcluir
  12. A Poesia é fonte (substancial) de alimento.




    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  13. Lindo e substancial tanto o amor como o alimento! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.