sexta-feira, 3 de julho de 2015

Personas














Somos em muitas, entre paredes, teto e chão,
Esbarramo-nos em nossos artifícios,
Teimosias, alegrias, tristezas, amores e dissabores.
Fomos completadas com razão e emoção.
Dois ícones que não se compactuam
Quando um se sobrepõe,
O outro se desconecta e some.
A casa fica povoada, cheia de pertences aleatórios.
Há um trânsito interminável,
Que nada e ninguém conseguem disciplinar!
Enquanto uma dorme, a outra sonha,
Outra faz, e acorda cansada...
Ritmo alucinante de vida que ferve em emoções.
Surpresas, entendimentos, averiguações, e muitas divagações...
Muitas vezes fogem do controle,
Simplesmente se entregam e vivem...
Umas, no palco celebrando,
Outras, na plateia aplaudindo,
Jogamos muito entre nós...
Todas sabem a que vieram.


Célia Rangel


15 comentários:

  1. Esse é o ritmo da vida! lindo! Beijos, ótimo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Gosto de ler seus poemas, deixando a mente em branco, pra ver qual imagem aparece no fim. Desta vez, surgiu o símbolo de yin-yang, os opostos complementares que se alternam e possuem, dentro de si, uma pequena parte de outro. A capacidade de evocar esse símbolo prova a complexidade do seu texto, Célia. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Sabendo a que viemos e esbarrando-nos em nossos artifícios, ainda assim surpreendemo-nos.Parabéns pelo poema!

    Grato pela passagem e correta leitura de "As sementes do rei" lá em Pretextos-elr. Abraço grande.

    ResponderExcluir
  4. Todos somos "personas" mesmo dentro da nossa casa. Quando nos descobrimos estrangeiros surpreendemo-nos, mas é uma situação mais que comum.
    É necessário, apenas, sermos simples.
    Lindo.


    beijos



    SOL

    ResponderExcluir
  5. Oi querida amiga Célia, vim lhe desejar uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  6. Maravilha de poema. "Insolúvel" equação de razão e emoção a instigar a arte do viver.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Somos muitas dentro de um só coração e uma só alma.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  8. Muito bem versado, Célia.
    Gostei da colocação sobre a razão e emoção. Costuma-se dizer que é imperativo que haja um equilíbrio estre as duas, mas a verdade foi bem avaliada por você e concordo que não há transigência entre elas.
    De fato, no fundo sabemos a que viemos, mas mesmo assim nos perdemos entre as várias personas que integram nosso ser.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Creio que, em alguns momentos ou fases, não nos encontramos. Espalhamo-nos por demais e o equilíbrio fica distante (rss). Surpreendemo-nos com as possibilidades e com os caminhos. Mas como disse, acabamos por reconhecer a utilidade de cada persona abraçada. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Sabemos, Célia! Todos sabemos a que viemos, que ninguém duvide disso!

    ResponderExcluir
  11. Personas, estas máscaras usadas no teatro grego...personagens.

    Personagens,formatam a vida!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  12. Difícil compactuar com as duas, mas é inevitável! Beijos

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Cèlia.
    Aproveito essa linda manhã de domingo para
    visitar lendo pessoas queridas como voce.
    Linda nova semana e aguardo
    você la no Espelhando.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  14. Isso ai, somos apenas um pontinho no meio de uma imensidão pulsante de seres! Bjosss

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.