sexta-feira, 31 de julho de 2015

Sensorial














Silêncio que apraz memórias felizes,
Preenche lacunas, fortalece palavras a serem ditas.
Há uma sede que se sacia ‘goticulamente’ na busca do saber.
A dura realidade das exigências afasta o 'devanear',
Mas há vozes interiores que cobram:
um bem-viver, um bem-amar,
um bem-isolar, um bem-olhar,
um bem-colorir... um bem-ser.
Das vozes há um temor e uma carícia de fuga,
De proteção para intensa introspecção.
Poucos têm a chave,
Poucos abrem essa porta,
Poucos falam,
Poucos ouvem,
Poucos tocam,
Poucos e loucos...

Célia Rangel

15 comentários:

  1. Yayá Portugal

    Gostei do poema ousado e feliz. Um abraço, Yayá. 

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema, bem do jeito que amo ler, pois as palavras ditas com alma nos expõem mesmo, eu não me importo de me expor, pois a vida é semelhante para todo mundo, todos nós precisamos nos comunicar, mas como são poucos a nos ouvir ou quem sabe falar, escrever é a glória e eu amo escrever exatamente por isso, que bom que é assim, que bom né amiga sempre querida?
    Abraços bem apertados com votos de um lindo final de semana!

    ResponderExcluir
  3. Intenso,lindo! bjs ainda praianos(quase acabando!), chica

    ResponderExcluir
  4. Célia, quantas vezes o silêncio é proteção e espaço para viver o bom da vida. Poema bem significativo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Célia.
    Felizes os que se deixam levar pela imaginação apesar da dura realidade, muitas vezes "nua e crua" da vida cotidiana. É importante sim, sonhar, devanear, divagar...perder a razão.
    Abraços e ótimo domingo.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite amiga Célia!!!
    O silêncio sempre tem uma posição importante em nossa vida.
    Sábio é quem sabe usar o silêncio no lugar das palavras em determinadas situações.
    Tenha uma nova semana perfeita e abençoada!!!
    Muito obrigada pelo carinho no post do meu niver, amei sua presença por lá!!!
    Bjokas...da Bia!!!

    ResponderExcluir
  7. Célia acredita que esta noite ao me deitar estava com o pensamento em você, saudades, a vida virou de um jeito que raros são os momentos livres que tenho, às vezes posto e procuro ir comentando os amigos,mas para prestar atenção nos textos dos amigos tenho que demorar um bocadinho não gosto de comentar sem ler não vale, então me demoro, mas vim na hora certa, a tempo de ler este belo poema reflexão, verdade amiga encontrar a chave é a questão, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  8. Com o tempo são as memórias que nos consolam... Bem tocante e sensorial.

    Deixo um abraço e desejo de uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  9. ~~~
    ~~~ «Poucos e loucos... »
    ~~ Belíssima «Chave de ouro»...

    ~~~ «O sillencio é de ouro»
    ~~ Ancestral sabedoria popular...

    ~~ Beijos, talentosa Poetisa! ~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  10. Oi querida amiga Célia, que lindo!
    Vim lhe desejar uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  11. Célia, eu fiz algo que não se faz, mas sei lá, senti uma necessidade... Li seu poema e achei perfeito, tudo dito com clareza e sabedoria. Depois, amiga, li ao contrário, de baixo para cima e as coisas ficaram mais claras ainda e com uma pitada de ironia que mostra o porquê agimos de determinada forma; a resposta está na última frase, na última palavra! É assim que tive muitas das respostas que procurei. O tal por quê.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. E poucos têm a capacidade de expor em poesia, tanto sentimento. Parabéns por isso.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Olá Célia, é bom sentirmos a solidão da introspecção, nos isolar para dentro, porém sempre há a cobrança de nós mesmos, precisa isso, precisa aquilo e aí, ficamos pelo caminho sem saber com sermos felizes, pois ao fecharmos a porta da meditação a outra se abra para o mundo das ideias. E é aí, que somos loucos....um pouco. Gostei ! Beijos!

    ResponderExcluir
  14. O sentir interior é único, íntimo e pessoal.
    Dizes tanto, que tão pouco bem poderia ser elevado á Classe de Enciclopédia, se houver discernimento bastante para desenvolver o tema.
    Cá me fica para meditação. Obrigado.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  15. Acho silêncio uma grande arma capaz de quedar a fúria e nos resguardar dos impulsos magoantes. Muito bom seu poema amiga Ceília... Reflexivo!
    Abçs!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.