quarta-feira, 22 de julho de 2015

Um poema... Que reflexão!

"De noite quando dormia"
Antônio Machado

De noite quando dormia
sonhei, bendita ilusão!,
que uma nascente fluía
dentro do meu coração.
Por que ribeira escondida,
água, vens tu até mim,
manancial de nova vida
onde jamais eu bebi?

De noite quando dormia
sonhei, bendita ilusão!,
que uma colmeia vivia
dentro do meu coração;
e as douradas abelhas
iam fabricando nele,
com as amarguras velhas,
branca cera e doce mel.

De noite quando dormia
sonhei, bendita ilusão!,
que um ardente sol luzia
dentro do meu coração.
Era ardente porque dava
o calor de um rubro lar,
e sol porque alumiava,
porque fazia chorar.

De noite quando dormia
sonhei, bendita ilusão!,
que era Deus o que eu trazia
dentro do meu coração.

Extraído de: ANTOLOGIA DA POESIA ESPANHOLA CONTEMPORÂNEA, seleção e tradução de José Bento, Lisboa, Assírio & Alvim. 



7 comentários:

  1. Lindíssimo mesmo! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Célia.
    Quando comecei a ler eu me identifiquei muito de uma forma específica, mas quando li o final, amei também.
    A presença doce de Deus está em tudo e em nós.
    Sem Ele, seríamos pessoas mais perdidas do que já somos.
    Tenha uma linda e abençoada semana de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo e verdadeiro, Célia! Estamos sempre à procura de algo que nos fortifique, de um olhar que não recrimina, lábios que não ofendem, de um coração que nos compreenda... e no final dos versos, está ali...
    Bela escolha, amiga!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! Olha amiga, gosto de rimas metrificadas. Andei estudando e o que descobri é que as rimas causam sensações de prazer...! linda essa poesia! abraços

    ResponderExcluir
  5. Célia, o poema de António Machado é mesmo de antologia. O poema nos acrescenta, pela sua métrica e beleza.
    Não como as antologias que andam a ser impressas por aí, apenas para negócio de encaixe de certos editores, dado são os escritores a pagar sob a forma de obrigatoriedade de compra de livros.
    Critério de qualidade, não existe, para que se possa classificar de Antologia!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Dá gosto ler poemas assim. Boa escolha.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  7. Olá Célia, que escolha hein! Belíssimo poema e nos dá o tempo para pensarmos na nossa vida. Muito lindo! Parabéns pela escolha e obrigada por compartilhar conosco! Beijos!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.