segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Orgulho

Impede-nos o orgulho
inferioriza-nos
na possibilidade
de uma entrega.


Há medo em demostrarmos
nossa realidade
manchar a autoimagem
sedimentada em nós.


Idealizamos o ser-entidade
mascaramos dores e verdades
numa imagem final frágil
ridícula em sua concepção.


O que importa agora
é a luz do espelho refletor
que faz a autêntica revelação
do que somos.


Sem máscaras ou artifícios
íntegros na revelação amorosa
tendo como concreto
a nossa entrega.


Célia Rangel

10 comentários:

  1. Pegou um ponto sensível, Célia.
    Há medo sim de mostrar como somos. A causa eu desconheço.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Dizem que quem chega a este espelho, olhando-se sem subterfúgios, pode enlouquecer.

    ResponderExcluir
  3. Orgulho, é mal que corre
    Entre mal formada gente.
    Mas, orgulho de quem morre
    Pela verdade que escorre,
    É orgulho que se sente.


    Beijos
    SOL

    ResponderExcluir
  4. ~~~
    ~~ Por isso, as melhores relações amorosas,
    são as que surgem entre amigos de longa data.

    ~Seria bom que fosse sempre como preconiza
    a última estrofe - muito bela e ética...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Abraço amigo. ~~~
    ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderExcluir
  5. «A entrega (...) sem máscaras ou artifícios» - por vezes tão difícil, Célia!!!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Marcelo Sguassabia26 de agosto de 2015 06:27

    É preciso um palácio repleto de humildade pra dar conta de uma tapera de orgulho. Abraços,Célia

    ResponderExcluir
  7. Como o ser humano é complicado.... E como é Divina a entrega ;) bjs

    ResponderExcluir
  8. Muito não entende quando Jesus disse para oferecer a outra face...não há nada mais sábio! abraços

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde, Célia, seu poema toca em dos pontos mais sensíveis para trabalharmos contra, o orgulho.
    Ele está presente ao nosso redor e dentro de nós, o trabalho é árduo, mas precisamos aprender a reconhecê-lo e tentar trocar pelo amor. O orgulho não nos deixa sermos nós mesmos, aí, a máscara que usamos deixa-nos tristes e sem amor.....aquele amor verdadeiro. Belíssimo poema, Célia! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. E este nosso espelho não mente nunca, faz a verdade fluir! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.