sábado, 22 de agosto de 2015

Razões









Já que o amor muda a cada momento,
Plastifico sentimentos.
Em meu interior deposito esperanças.
Não busco razões para amar,
Tropeço nas falas, não na sensibilidade.
Sinto a solidão cultivada em precioso silêncio,
Ah! O quanto ele me ensina!
Desfaço-me de entulhos mentais,
Em nada me acrescentam.
Contabilizo sonhos de gratidão em atos amorosos.
Sei a distância saudável dos nossos espaços,
Sigo um caminho, ainda que entre pedras,
Onde penetram sementes que hoje cultivo,
E que amanhã ainda colherei.
A cada encontro um encantamento,
Que só a magia de amar propicia,
Uma alquimia regada à ternura, 
No estágio transcendente em que estamos.
Assim, concebemos nossa unidade amorosa,
Sem dominantes ou dominados,
Somos.

Célia Rangel

12 comentários:

  1. Não se pode buscar razões para amar... Amar por si só não existe razão. Muito bom ler aqui no seu blog. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Lindo "...Sem dominantes ou dominados" seguindo em frente sem buscar "...razões para amar..." aqui se aprende e muito também minha linda amiga!
    Abraços e tenhas um lindo sábado!

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Célia
    Desfazer-se de entulhos mentais é imprescindível... gostei demais!!!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  4. Assim é que o amor é bom, com cumplicidade, sem um querer ganhar do outro! bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Oi, Célia.
    Amai-vos uns aos outros, sem razão.
    Tarefa difícil para o ser humano que procura razão para tudo.
    Talvez um dia "seremos" melhores.
    Lutemos por isso.
    Ótimo fim de semana!
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. i querida Célia, vim lhe desejar um excelente final de semana, bjs e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  7. Assim é que deve ser, Célia: Sem dominantes ou dominados...
    Belo poema.
    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, Célia.
    Muito lindo quando o amor se apresenta dessa forma.
    Lamento muito quando vejo que o mesmo se descaracterizou em sua essência.
    Sei que o amor se transforma muitas vezes em um sentimento que sequer conseguimos reconhecer.
    Maravilha de poesia.
    Tudo de bom.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  9. Nossa Célia que texto incrível, eu adorei, falou tudo com pouco, amar sem prender, amar desejando a felicidade de quem se ama, respeitar espaços e ter a certeza da consciência tranquila, parabéns bjos Luconi

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde querida Célia..
    uma forma direta de dizer o que muitos de nós vemos nos dias de hj..
    temos sim de manter dentro de nós muita esperança.. pq um dia o velho finda de vez para o novo ressurgir.. abraços

    ResponderExcluir
  11. Vi que cada um pegou um pouco desse substancioso poema, Célia. Todo ele de muito proveito, palavras verdadeiras.
    Eu grifei algo que gostei muito...

    (...) Sinto a solidão cultivada em precioso silêncio,
    Ah! O quanto ele me ensina!
    Desfaço-me de entulhos mentais,
    Em nada me acrescentam.

    Essa parte é o máximo! Fiquei aqui na telinha olhando e pensando... seguindo essa sua 'trilha', seremos mais felizes. Já é meio caminho! Gosto da sua maneira de pensar, Célia!
    Bjus.

    ResponderExcluir
  12. Uma forma linda de retratar o Amor! Sempre nos surpreendendo com poemas lindos! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.