segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Entre o “sim” e o “não”.


balança.gif

Vivemos pelo “sim” de toda uma vida:
O “sim” no altar.

Castramos nossas vontades pelo “sim”...
O “sim” à chefia.

Enclausuramos nossa existência, pelo “sim”...
Pelo medo de fazer “acontecer”.

Desobrigamo-nos muitas vezes pelo “sim”...
Na covardia de um gesto omisso.

Aceitamos a tudo e a todos com um “sim”...
Para não nos desinstalarmos,
Da nossa zona de conforto.

E numa batalha de pensamentos,
Trava-se a guerra entre o “sim” e o “não”.

É menos desgastante o “sim”.
Elabora-se mais para dizer-se o “não”.

O “sim” em geral, é conciliador,
Acolhe.
O “não” é intrigante,
Afasta.

Ambos: “sim e não”, educam,
Na medida certa de ações coerentes,
Com a vida que se traçou
Em nosso altar sagrado.

Atitudes profanas e sagradas,
Digladiam-se no humano,
Nas atitudes do “sim”,
Nas atitudes do “não”.


Célia Rangel

11 comentários:

  1. A vida é feita de sim e não.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida Célia
    Hoje também reflito sobre o profano e o sagrado... que bacana a nossa sintonia!
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  3. Durante toda a vida, de qualquer humano, essa "dupla dinâmica" está presente, permanentemente!No início, é difícil mas à medida que vai-se amadurecendo, com a idade, a opção do momento( do SIM e do NÃO) fica mais segura de se fazer.
    SIM, Célia, gostei muito! Meu abraço...boa semana!

    ResponderExcluir
  4. Aprendamos a dizer não quando o sim não quer se soltar!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá Célia,

    Interessante que fui há pouco na Rosélia, onde ela foca o Sagrado e o Profano, e seus versos finais foram um acréscimo para que eu entendesse um pouco mais a respeito.
    Seus versos estão perfeitos e até me remeteram a um texto de Paulo Coelho, que está em meus arquivos do blog. Trata-se de um texto questionador e com um foco um pouco diferenciado do aqui versado.
    Dizer 'não' é difícil, pois, a princípio, desagrada.
    Quanto ao 'sim', ao dizê-lo, podemos estar contrariando a nossa essência e abrindo portas para a infelicidade do nosso ser.
    Ambas são palavras pequenas e de grande importância, cuja consequência dependerá da sabedoria que impulsionou o seu decreto.

    Muito lindo.

    Beijo.


    ResponderExcluir
  6. É tudo muito simples: tem uma hora do sim; tem uma hora do não!

    ResponderExcluir
  7. ~~~
    Um poema soberbo, que encerra saberes

    de várias áreas do nosso conhecimento:

    filosofia, psicologia, ética, didática...

    ~~~ Célia, que talento e arte! ~~~

    ~~~~~ Beijinhos amigos. ~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  8. Marcelo Sguassábia8 de dezembro de 2015 18:54

    Sim, é o eterno embate... ou não??

    ResponderExcluir
  9. É menos desgastante o “sim”.
    Elabora-se mais para dizer-se o “não”.

    Célia, como é desgastante dizer não! Pegamos inimigos de graça. Um 'não' é frustrante para quem quer algo, para quem quer levar vantagem, para aqueles mimados pelas famílias que não souberam dar limites aos filhos. É frustrante para aqueles que se aproximam não por amizade, mas com uma segunda intenção. É difícil, mas uso com jeito, sabendo que a criatura vai espernear. Mas é ela ou eu; é o certo ou o errado. Porém muitas vezes disse 'sim', um sim para me poupar e me ver livre de problemas que nem eram meus. Às vezes falta paciência, falta tudo quando o outro é muito 'tapado'. Porém tem aquele sim e o não para nos policiar, também, ouvir a voz da razão que muitas vezes grita um não!
    beijo.

    ResponderExcluir
  10. Tantas vezes o medo nos obriga a esconder o não e a optar pelo sim de olhos baixos e orelhas murchas...

    Beijinho

    ResponderExcluir
  11. Verdade, usamos mais o sim do que o não. Será comodismo? Bom refletirmos!!!! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.