quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Menino Jesus versus Papai Noel


















- Olá, Menino Jesus, tenho a impressão que preferes o silêncio ao clima dos festejos. E, no entanto, és tu a razão de todo esse vaivém! Afinal de contas, o que está acontecendo? As pessoas olham para ti com um ar de mistério, mas, ao mesmo tempo, não parecem muito interessadas em falar contigo.

- Por enquanto, Sr. Papai Noel, não podes entender. Mais tarde talvez te seja permitido penetrar o que chamas de mistério. Então verás que meu reino, embora comece neste mundo, não é deste mundo!

- Que queres dizer com isso? É neste mundo que nos movemos: não vês o fascínio das luzes, das cores, da música, do brilho nos olhos das pessoas frente aos atrativos que a loja oferece! Certo que és apenas um recém-nascido, mas tens de abrir os olhos aos apelos que nos cercam de todos os lados.

- Apesar de recém-nascido, bem sei o que pensas. Vês tudo com os olhos do mercado e das férreas leis de lucro e acúmulo de capital. O marketing, a propaganda e a publicidade te deixaram míope ou cego. Ofuscaram o sentido oculto por trás de tanto rumor e tanta correria.

- Mas que sentido oculto? A vida está aí para ser vivida. Olha a montanha de panetones, os vinhos, os produtos importados, os jogos eletrônicos... E tantas outras coisas próprias das festas de final de ano. Olha o riso largo, o peito aberto e a despreocupação no olhar e no rosto das crianças e jovens, dos adultos e idosos? As famílias se reencontram.

- Reencontro? Toda essa euforia, em grande parte, não passa de aparência enganosa. Para além do movimento e da luz, esconde-se um mistério. Desculpe se insisto nesta palavra, mas no interior mesmo dessa atividade vertiginosa existe, sim, um mistério ao mesmo tempo real e invisível.

- Mistério, mistério, mistério!... Enquanto te revestes com essa roupagem secreta e misteriosa, as crianças me procuram, me sorriem, me abraçam, registram tudo com fotos... E o mais importante, compram nossas mercadorias e brinquedos... E os pais se mostram felizes com a felicidade dos filhos. Não te dás conta disso! Tu, ao contrário, te escondes aí, como que de escanteio, meio envergonhado. Dir-se-ia que eu tomei teu lugar no presépio, como referência máxima das festividades natalícias!

- Para ser sincero, pergunto-me seriamente o que atrai as pessoas à sedução do brilho que tu representas. Olhando com maior atenção, vejo que muitos buscam dissimular algo, varrer o lixo para debaixo do tapete. A festa é ambígua: pode ser genuína, sem dúvida, mas pode também camuflar ou compensar uma crise, um desencanto profundo, uma falta de sentido consciente ou inconsciente. Não me é difícil surpreender olhares oblíquos, sorrisos forçados, palavras envenenadas.

- Acabas de nascer e já vens com a mania de filosofar. Deixa as pessoas se divertirem enquanto é tempo. Depois vem janeiro, dívidas, contas a pagar... Menos mal que o carnaval está às portas!

- Justamente isso me preocupa. A alegria que circula e se respira neste ambiente festivo parece ter um caráter superficial e passageiro, transitório e efêmero. Por trás de olhares e rostos aparentemente luminosos, é possível identificar pontos obscuros e obtusos, até mesmo desesperados. Há perguntas sobre a existência que brotam de corações feridos, de almas angustiadas. Perguntas sem remédio e sem resposta. Há medos e fugas, becos sem saída. É sobre essa realidade que me concentro.

- Perguntas, perguntas, perguntas! Deixa as perguntas para outro momento!

- Mas são elas – as dúvidas e perguntas, bem como os sonhos, buscas e esperanças – que movem o curso da história. Toda essa corrente frenética não faz mais que deslocar as interrogações de um lado para outro, protelando-as. Minha missão e meu foco é mostrar “o caminho, a verdade e a vida”.    

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs

Roma, 7 de dezembro de 2015

3 comentários:

  1. Yayá Portugal

    Célia, Jesus é o caminho, a verdade e a vida, a generosidade que Noel trouxe é a generosidade dos Reis Magos e vê no outro a semelhança que temos com Deus em Jesus. Ninguém é tão pobre que nada possui oferecer e nem tão rico que nada possa receber, o bem de Deus é para ser compartilhado e gratuito . Um abraço, Yayá. 

    ResponderExcluir
  2. Texto real, forte, embora tratado com carinho.
    Alguém disse que Pai Natal é um meio de Comercialização (Marketing) que se tem interposto com o verdadeiro sentimento de celebração dum Nascimento que marcou o Mundo.
    Te auguro um Santo e Feliz Natal.

    Beijo

    SOL

    ResponderExcluir
  3. Chegando um pouquinho atrasada para a linda festa de natal, mas não esqueci de vc não, é que do tempo somos escravos. Linda mensagem aqui. Que as alegria da noite de natal perdure por todos os dias de um ano novo que em breve vem chegando. Desejo prá vc querida muita saúde, paz e alegrias, para vc e sua linda e amada família. Bjs amei conhecer vc aqui neste mundo virtual.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.