domingo, 17 de abril de 2016

Reflexão!

A primeira intenção

Volta e meia nos sentimos magoados porque descobrimos que fomos enganados. Alguém, em quem confiamos, agiu com segunda intenção. Revelou nossos segredos ou deturpou nossas palavras. Outras vezes, ficamos sabendo que alguém se tornou nosso amigo só para conseguir favores. As chantagens emocionais também estão impregnadas de segundas intenções. O puxa-saquismo, igualmente. Da mesma forma, a fofoca. Dói saber que exploraram nossa inocência, ou nossa confiança, ou nossa fraqueza. Sentimo-nos usados e desrespeitados.

Os relacionamentos oferecem esses riscos. A raiva é normal, e justa, mas não há motivo para desacreditar nas relações humanas. Precisamos apenas tomar mais cuidado com a escolha dos amigos e com o uso das palavras. O Evangelho nos diz que precisamos ser "simples como as pombas e prudentes como as serpentes". Por questão de ética, é melhor ser enganado do que enganar. O perdão e a transparência são atitudes cristãs que retomam a paz e purificam os relacionamentos.

A segunda intenção, geralmente vinculada à falta de ética e à pouca transparência, tem dimensões graves e atinge muitos campos. Tão habitual é essa prática que quase nunca temos consciência do nosso envolvimento, ou como vítimas, ou como culpados.

Na política, por exemplo, os candidatos nos prometem o paraíso na tentativa de atrair o nosso voto. Nós, eleitores, também fazemos uso da segunda intenção quando optamos por alguém que nos proporcione benefícios individuais ou familiares, em vez de sociais.

No comércio, o anúncio comercial nos convence de que, para sermos felizes, precisamos de tal produto e de tal marca, e, depois, descobrimos que o objetivo era apenas empurrar-nos a mercadoria.

A religião, vez ou outra, nos convence de que pensar ou agir de determinada maneira é vontade de Deus; porém, em algum momento, tomamos ciência de que era apenas um ponto de vista ou interesse do líder religioso.

Pagamos impostos na esperança de que o dinheiro seja bem usado na solução de problemas sociais. Contudo, o tempo passa e os problemas aumentam. E constatamos que o dinheiro foi destinado a outra finalidade.

Algumas escolas divulgam números exorbitantes de aprovados no vestibular, e, em seguida, analisando os números e as vagas, damo-nos conta de que desejavam somente nos vender a falsa imagem de competência, transformando a educação em mercadoria.

A globalização do comércio, diante da crise do Planeta, criou o conceito do desenvolvimento sustentável, passando-nos a noção de que se preocupa com a ecologia; entretanto, não passa de uma estratégia de perpetuar-se e de expandir-se, assim como o berne que, diante da vaca doente, encontra um jeito de mantê-la viva, única condição de ele também continuar vivo e procriar.

A primeira intenção existe? Sim. Porque nem sempre agimos por interesse próprio. Como não somos anjos, algumas circunstâncias podem nos conduzir às segundas intenções.

No entanto, somente Deus, em todas as condições, sem cessar, age apenas com a primeira intenção, porque seu amor é gratuito, é incondicional, é ilimitado.

Lauro Daros


18 comentários:

  1. Ao iniciar a leitura e no decorrer dela veio-me à lembrança uma "lição" habitual para quem se depara com situação desagradável: ..."pare, e conte até 10". Excelente texto para uma profunda reflexão. Tudo na paz & amor! Meu abraço, Célia: BOM DOMINGO!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Célia...muito boa a reflexão(Lauro Daros)...verdade, os relacionamentos oferecem esses riscos, de nos sentirmos enganados,vítimas de segundas intenções...até creio que é a nossa intuição/percepção que nos farão ter consciência disso, ou estimulando a compreensão e encontrar novas formas de como nos relacionar ou acreditarmos, realmente,que também fazemos o uso das segundas intenções...de uma forma ou de outra, há de ter o redesenho das nossas verdadeiras intenções de vida, se expressando mais com amor , gratuito,incondicional , ilimitado, para que todas as intenções possam se equilibrar em harmonia....Obrigado pelo carinho,belo domingo,belos dias,beijos!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito esse texto para os dias que vivemos! Vale a reflexão sempre! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Oi querida amiga Célia,
    Traição é a pior coisa que alguém pode fazer por outro...
    Vim lhe desejar uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderExcluir
  5. Olá Célia - Confiar na própria sorte, para encaixar certos problemas, que nos favoreça, é uma atitude acomodada que pode trazer contradições irreparáveis. Nas relações humanas a atenção em tempo integral é fundamental para um bom ritmo de vida. Quando deixamos de olhar criticamente a realidade que nos cerca, sempre somos superados por detalhes indigestos. Como um gerente financeiro de uma empresa riquíssima, não passa de um cidadão falido. Tanto o sucesso de um lado como o fracasso do outro é de inteira responsabilidade do agente financeiro. Grande abração; gostei muito da matéria.

    ResponderExcluir
  6. A realidade dos dias de hoje, Bjbjbj Lisette.

    ResponderExcluir
  7. Que belo texto! Tão bem construído, tão completo e, no entanto, de tão fácil leitura.

    Mas como nos movemos num mundo em que, cada vez mais, estas questões aqui expostas (e tão bem expostas) correspondem à realidade de todos os dias?

    (Abraço muito solidário pela vergonha que estão perpetrando contra a Presidente.)

    ResponderExcluir
  8. Um excelente texto, nos faz refletir, principalmente nos dia de hoje, obrigada anjo por ter ido me visitar apesar do tempo que fiquei afastada, nem imagina o tanto de empecilhos aparecem no caminho, mas espero estar próxima de conseguir organizar as coisas materiais e de minha alma, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, querida Célia!
    A religião, vez ou outra, nos convence de que pensar ou agir de determinada maneira é vontade de Deus; porém, em algum momento, tomamos ciência de que era apenas um ponto de vista ou interesse do líder religioso.

    Esta parágrafo recortado é espetacular dentro de um lindo texto todo!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  10. Os tempos modernos trouxeram-nos liberdades que não ousávamos. Dizem que são os "seus" sinais. Não creio.
    Este texto magnífico, alerta para os passos que damos.
    Bela escolha, Célia.


    Beijo
    Sol

    ResponderExcluir
  11. Olá, Célia.
    A coisa que mais dói, é sermos enganados por alguém em quem confiamos. Manter o olhar atento - mas sem neuras - é essencial. Geralmente, as pessoas que agem desta forma ão bajuladoraas, e nos pegam através da nossa própria vaidade.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Célia,
    Penso que a sua crônica terá de muitos leitores aprovação sobre esse tema; certamente muitos se lembrarão das tantas vezes que foram enganados por falsos amigos; que muitas pessoas aproximavam-se visando sempre alguma vantagem econômica ou de outra ordem. Concordo com tudo o que você diz. Parabéns.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Pedro! Obrigada pelo seu comentário. O autor é Lauro Daros, que aprecio muito suas produções! Em nome dele, agradeço o "Parabéns".
      Abraço.

      Excluir
  13. Levo um grandioso aprendizado! abração

    ResponderExcluir
  14. " somente Deus, em todas as condições, sem cessar, age apenas com a primeira intenção, porque seu amor é gratuito, é incondicional, é ilimitado"
    Queiramos ou não de alguma forma tudo nos remete a Deus ou ao transcendente!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Excelente, Célia, muitas dessas ideias eu gostaria de ter escrito!
    Parabéns a Lauro Daros e a você pela postagem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. OI CÉLIA!
    UMA PARTILHA CUJA LEITURA SÓ TEM A NOS ACRESCENTAR.
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.