segunda-feira, 30 de maio de 2016

Uma nota só




Que finalize essa saudade

Meu coração já não suporta a ausência,

Nessa estrada cheia de obstáculos.

Vou esperar sua volta...

E libertar-me do excesso fútil

Para viver nessa vida o devaneio do amor.

Haverá um manto de alquimia para nossas almas,

Total hipnose em nosso reencontro...

Em concerto solitário nos encontraremos,

Sem música, sem sons, apenas um compasso

De volúpias e de amores sem medo algum,

Sem muros – libertos estaremos...

Afinal somos nós, nossa inocência!

Jamais indiferentes...

Interligados, sempre!



Célia Rangel

9 comentários:

  1. Linda poesia e intensa saudade! bjs, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. Bonito e reflexivo poema!
    Uma nota só.... profundo!
    Grande abraço :)

    ResponderExcluir
  3. Hummmmmm amei esta!Retrata um grande amor! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que lindo amor, esse amor que é verdadeiro!
    Intensa saudade, mas que é a que não deixa o amor se acabar, sempre há e haverá a esperança de o reencontrar!
    Amei ler aqui linda amiga Célia!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  5. Oi, querida Amiga, Célia Rangel !
    Linda decisão, em forma de uma bela
    poesia. Parabéns e um carinhoso
    abraço, aqui do Brasil.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  6. A isto chama-se Saudade, amiga! E tão sentida!!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Poucas vezes senti saudades; só soube que era saudades quando doeu demais e tenho certeza que o tempo não vai amenizar coisa alguma. É doído demais, embora a palavrinha seja uma das mais belas da nossa língua.
    beijo.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, querida Célia!
    Que se finde! Com fé pedimos todos... saudade enfraquece nossa força...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.