domingo, 29 de maio de 2016

Verdades...

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecília Meireles



6 comentários:

  1. Poesia linda, cheia de verdades...Mudamos! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de agradecer à você que sempre tão carinhosamente esta no meu cantinho e por todos os comentários delicados que me deixa. E também te desejar uma semana cheia de amor, felicidade e grandes realizações.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  3. Boa noite,Célia. Uma poesia belíssima,profunda e real.
    Somos mutantes, o tempo passa, mudamos com ele bem gradativamente.
    Amei a escolha.
    Linda sua sensibilidade.
    Tudo de bom.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  4. No fundo do espelho podemos ver milhares de rostos que se foram! abraços

    ResponderExcluir
  5. Só o espelho retrata o que queremos ver, ou não queremos? Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ah... esse é um dos meus poemas preferidos, tão verdadeiro, tão humano, tão cheio de dobras...
    beijo.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.