sexta-feira, 15 de julho de 2016

Andarilha


Em tédio minha alma andarilha pensa em você
Encontrar-te ainda que na extensão do pensamento
É dominação extasiante de uma vida...

Na voz do silêncio eterna é a sonoridade
Nas nuvens plasmo minha visão em sua moldura
Sei que o encontrarei...

Nosso tempo cicatrizou tristezas
Aconchegou momentos e amores pausados
Em desvios emocionais.

Há um caminho alegre e terno para trilharmos
Viveremos amores interrompidos 
Tudo em resgate por nossas almas.

Andarilha? Jamais!

Célia Rangel






11 comentários:

  1. Olá, Célia,boa noite... penso que no tédio , a alma tende à ser andarilha, se liberta, alça voo, pensa...mas, quando, a alma , realmente e definitivamente, encontrar, não precisará ser mais andarilha,nem precisará mais pensar ou viver em outras consciências, pois tudo o que mais almeja estará em frente a ti,um caminho alegre e terno para viver, amores interrompidos, enfim resgatados... Bom finde, belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Célia bom dia!

    Uma incansável busca até o almejado reencontro,
    Depois... a plenitude!

    Lindo amiga.
    Abraçosss de um bom dia!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  3. Lindo, acho que toda alma é meio andarilha, vai e volta, sai e mesmo que nem encontre o que busca, está sempre sensível, desce ao inferno e sobe ao céu, mas um dia percebe que está andarilha, mas jamais o é!
    Amei ler por aqui!
    Abraços apertados querida amiga!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, Célia!
    Sua alma andarilha vai plantando flores de sonhos as outras andarilhas que percorrem trechos do mesmo caminho.
    Abraço e obrigada por sua visita ;)

    ResponderExcluir
  5. Olá, Célia.

    Por mais paradoxal que pareça, o tempo é o atemporal caminho dos encontros, reencontros, resgate do que e de quem foi sem nunca ter ido. Transcendência existencial.

    Um abração e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. Oi Célia querida, que linda mensagem e que bela escolha de imagem!! Adorei! Vim lhe desejar um excelente final de semana, beijos e fique com Deus!!!!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Célia Rangel !
    Boa noite, querida amiga.
    Estamos sempre procurando o que queremos,
    o que amamos...
    Num certo momento, até encontramos.
    Valendo, ficamos até partirmos, novamente.
    Somos todos andarilhos da vida !
    Parabéns pelo belo texto, repleto de saudade
    e de amor.
    Um fraterno abraço, aqui do Brasil, e um ótimo
    final de semana.
    Sinval.


    ResponderExcluir
  8. Eis aí a diferença do andarilho para o que caminha com rumo definido: a esperança!
    Parabéns pelo poema. Abraço grande.

    ResponderExcluir
  9. Por vezes a vida interrompe amores, porém permanecem vivos enqto carregarmos no coração.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  10. Há amores que jamais terminam...
    Vivem latentes, porém, sempre presentes.
    A canção que publiquei, fala deste sentimento.
    ~~~ Abraço, Célia ~~~

    ResponderExcluir
  11. Querida amiga, saudades sim, tristeza não! E como você sabe lidar com isto hein? Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.