domingo, 31 de julho de 2016

Despir-se das Vaidades


Ser forte como a raiz de uma árvore,

Ser frágil como o perfume que se esvai,

Ser presente como as folhas que caem,

E retornam revestidas e corajosas na primavera.

E, assim, renovar a esperança do renascer...

Em outras vidas, em outras espécies, outra esfera.

Na profundidade uterina da mente e do coração

Com um novo olhar gerar uma nova e liberta vida...

Assim eu vejo o ciclo da vida:

Nascer... Viver... Morrer.

Finito ao encontro do Infinito.





CéliaRangel

©Direitos Reservados



10 comentários:

  1. Boa Tarde, querida Célia!
    Ciclos perfeitos da parte de Deus!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo,Célia e pra que tanta vaidade no mundo? Não sei.Pena,existe tanta! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Olá Célia,

    A vaidade há de ser sadia, pois quando ela se reveste de futilidade, ostenção e orgulho pode tornar-se mesmo "o solo onde a burrice melhor se deselvolve", conforme pondera Augusto Cury.
    Seu poema é espiritualmente lindo e profundo.

    Ótimo domingo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo poetar amiga Célia.
    A vida é beleza e tudo de bom, mesmo a vaidade há que se ter em consideração, mas sem orgulhos bobos e sem ostentação! Auto-estima, eis o que se precisa, só isso!
    Abraços apertados linda amiga!

    ResponderExcluir
  5. A ausência dessa vaidade bestificada é a maior liberdade que podemos alcançar! Sigo a cartilha, Célia. Muito bom poema e o 'recado' do Curi, procede sempre, gostei!
    Bj, Célia, uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  6. «Com um novo olhar gerar uma nova e liberta vida»
    Muito interessante e admirável o seu poema Célia.
    Também admiro bastante Augusto Cury, de quem tenho
    alguns livros.
    Gosto da ideia do despojamento do supérfluo, penso
    praticá-lo em breve...
    ~~~ Abraço ~~~

    ResponderExcluir
  7. É bom saber que levamos apenas lições. "novo olhar gerar uma nova e liberta vida". lindo! abração

    ResponderExcluir
  8. Célia Rangel
    É bom que se saiba interpretar, em poesia, toda a essência da vida. Na verdade podemos partir das fragilidades rumo a uma vida fortalecida. Isto que dizer que amei o poema.
    Postagem “Maranhão – São Luis”
    Veja e comente o post
    http://amornaguerra.blogspot.pt/
    BRASIL: O SORRISO DE DEUS.

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Célia Rangel
    É bom que se saiba interpretar, em poesia, toda a essência da vida. Na verdade podemos partir das fragilidades rumo a uma vida fortalecida. Isto que dizer que amei o poema.
    Postagem “Maranhão – São Luis”
    Veja e comente o post
    http://amornaguerra.blogspot.pt/
    BRASIL: O SORRISO DE DEUS.

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Somos fortes muitas vezes, frágeis e delicadas em algumas situações; até que o dedinho de Deus nos chama! Amém! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.