quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Há dois anos...


Ele escrevia para melhorar a vida', diz filha sobre obra de Rubem Alves

Escritor completaria 83 anos nesta quinta-feira (15); ele morreu há 2 anos.

Ele foi um dos maiores intelectuais do país e deixou textos em várias áreas.

Escritor e teólogo Rubem Alves completaria 83 anos em 2016 (Foto: Instituto Rubem Alves)

"Houve um tempo em que fui criança como vocês. Mas o tempo passa e aquilo que era deixa de ser. O tempo é isto: o poder que faz com que coisas que existem deixem de existir para que outras, que não existiam, venham a existir", escreveu o poeta, cronista, teólogo, filósofo, psicanalista e educador Rubem Alves em um de seus livros. Veja Galeria de Fotos.

Há dois anos, o escritor, que é considerado um dos maiores intelectuais do país, morreu em Campinas (SP), onde viveu por muitas décadas. Nesta quinta-feira (15), Alves completaria 83 anos.

Para relembrar momentos da vida e da carreira do educador, o G1 conversou com a filha caçula dele, Raquel Alves, que deixou a arquitetura para manter viva a memória do pai no Instituto Rubem Alves, em Campinas. "Ele escrevia para melhorar a vida que incomodava e machucava. Não havia um plano para isso”, explica.

Ele percebeu que tudo o que ele produzia era muito duro e ligado ao academicismo. Então, ali, ele decidiu que escreveria apenas o que o coração pedisse".(Raquel Alves, filha)


Escrever com coração


E foi de forma não programada que os textos do escritor que falavam sobre a vida surgiram em sua trajetória.

Eles vieram apenas após o nascimento de Raquel. Antes, Alves tinha uma carreira totalmente voltada para o mundo científico. Ele se dividia entre as aulas na Unicamp e na Universidade de Rio Claro.Mas, tudo mudou após a chegada da filha caçula. Segundo Raquel, já na sala da maternidade, ele começou a repensar seu trabalho. “Ele percebeu que tudo o que ele produzia era muito duro e ligado ao academicismo. Então, ali, ele decidiu que escreveria apenas o que o coração pedisse”, explica.

Raquel ressalta ainda que quando ela tinha 5 anos, o pai defendeu sua livre docência em filosofia política na Unicamp e que, a partir disso, se sentiu mais livre para tratar de diferentes assuntos. “Isso deu a segurança de que ele não seria demitido. Ele tinha mais liberdade para falar o que quisesse”, destaca.

Por isso, em 1982, ele produziu suas sete primeiras histórias infantis, e a partir disso, iniciou uma vasta produção de livros. "Eu vejo que ele estava entalado e começou a produzir e resultou em um estouro. Essa foi uma época de produção constante [...] nessa época ele já estava livre, então ele se dedicou à escrita e dava muitas palestras”, conta.

E mesmo se dedicando fielmente à carreira ao longo de sua vida, Raquel ressalta que o pai nunca deixou que ela e os dois irmãos se sentissem sozinhos. “Ele era um pai muito ocupado, viaja e trabalhava muito. Mas, no momento em que ele estava com a gente, ele estava inteiramente. Por mais que ele viajasse e a gente sentisse saudade, nunca teve uma sensação de vazio, porque ele preenchia muito a gente”, lembra.

Paixão por ipês amarelos


A filha conta também que durante a vida o pai sempre demonstrou uma paixão especial por ipês amarelos.

"As outras árvores fazem o que é normal – abrem-se para o amor na primavera, quando o clima é ameno e o verão está pra chegar, com seu calor e chuvas. O ipê faz amor justo quando o inverno chega, e a sua copa florida é uma despudorada e triunfante exaltação do cio", escreveu Alves em um de seus textos.
Para o escritor, os ipês ensinavam lições para pessoas, que deviam se abrir para o amor, também, durante o inverno. Além disso, ele afirmava que a árvore ressaltava a exuberância da vida.
A paixão por essa árvore era tão forte, que antes de morrer, o escritou entregou uma carta de 10 páginas aos filhos dizendo que gostaria de ser cremado e que suas cinzas deveriam ser jogadas embaixo da sombra de um ipê amarelo enquanto seriam lidos textos de seus poetas preferidos, como Cecília Meireles e Fernando Pessoa. Segundo a filha, o pedido foi atendido integralmente.
Legado
De acordo com Raquel, durante toda sua vida, Alves sempre teve uma preocupação grande com suas obras, que ele considerava como filhos. “Ele tinha consciência de que tinha muito livro, muito material e que alguém teria que cuidar. [...] Ele sempre falava para mim, alguém tem que cuidar da minha obra", lembra.
A filha afirma ainda que o escritor só morreu depois que teve certeza que suas obras estavam em segurança. "O sonho dele era que a obra dele fosse cuidada. Era que tudo que ele plantou não morresse junto com ele e o instituto foi o formato encontrado. Tanto foi isso que quando ele recebeu o instituto [...] ele partiu 51 dias depois", contou a filha.
Saiba mais:
Mineiro
Rubem Alves nasceu no dia 15 de setembro de 1933 em Boa Esperança, no Sul de Minas Gerais, mas morou boa parte de sua vida em Campinas.
Ele foi educado em família protestante e estudou teologia no seminário Presbiteriano do Sul. Virou pastor de uma comunidade presbiteriana no interior de Minas e casou com Lídia Nopper, com quem teve os filhos Sérgio, Marcos e Raquel.
"A vida dele em Lavras como pastor era cuidar dos pobres e das pessoas que procuravam ele, sem querer catequizá-los, simplesmente dar cuidado e amor", conta a filha.
O autor afirmava que descobriu que podia escrever para crianças ao inventar histórias após o nascimento da caçula.
Rubem Alves com apenas três meses de idade
(Foto: Instituto Rubem Alves)
Em 1963, viajou para Nova York para fazer uma pós-graduação. Retornou à paróquia em Lavras (MG), no período da ditadura militar, e foi listado entre pastores procurados pelos militares.
“As listas de acusações eram absurdas, coisas do tipo que ele obrigava meus irmãos a escreverem em rótulos de Nescau blasfêmias contra Deus, sendo que meus irmãos nem eram alfabetizados naquela época”, conta.
Depois disso, saiu com a família do Brasil e foi estudar em Princeton, também nos Estados Unidos, onde escreveu a tese de doutorado, que foi publicada em 1969 por uma editora católica com o título de 'A Theology of Human Hope' (Teologia da Esperança Humana).
Retornou ao Brasil em 1968 e saiu da Igreja Presbiteriana. No ano seguinte foi indicado para uma vaga de professor de filosofia na atual Unesp, onde permaneceu até 1974. No mesmo ano, entrou no Instituto de Filosofia da Unicamp, onde fez uma longa sua carreira acadêmica até se aposentar na década de 1990. Em 1984 iniciou o curso para formação em psicanálise e teve uma clínica em Campinas até 2004.
Sarau
Nesta quinta-feira, para homenagear o poeta, o Instituto Rubem Alves, que fica no Jardim Chapadão, irá promover um sarau gratuito com música, sopa, vinho e poesia, como o escritor gostava, a partir das 20h. Interessados em participar devem fazer inscrição antecipadamente pelo telefone 3386-0704.

12 comentários:

  1. Alguns fazem falta. Outros são imprescindíveis.

    ResponderExcluir
  2. Alguns fazem falta; Outros são imprescindíveis.

    ResponderExcluir
  3. Belo trabalho em postar tudo sobre Rubem Alves!
    Também li muito sobre ele e o admirava em vida e agora com o legado deixado não será nunca esquecido!
    Abraços amiga Célia, também professora, os professores são imortais!

    ResponderExcluir
  4. Excelente homenagem, Célia! Um senhor da palavra e do pensamento. Gostei de saber tanto sobre ele. Obrigada.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Adorei e ficou linda essa homenagem ,bem merecida.Lindo sempre ler sobre e tudo que ele escreve! bjs, chica

    ResponderExcluir
  6. Que interessante Célia. Ele realmente se encantou com o mundo, com a beleza da natureza e com a vida. Esta sim foi uma vida bem desfrutável. Serve de exemplo para nós, que devemos nos lembrar sempre do que o coração pede. Beijos e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Célia.

    Bela lembrança. A diferença entre os grandes homens e os medíocres é a obra que deixam, o legado que os torna "imortais".

    Um abração.

    ResponderExcluir
  8. Foi com enorme prazer que li esta partilha. Infelizmente, não temos tempo para conhecer todos os grandes vultos, na sua amplitude pessoal e literária. Com esta homenagem, pude estar perto de Rubem Alves, pois que, muito do que ele expressa, é semelhante ao meu pensamento. Ainda bem que a filha atendeu ao seu chamado e cuida do seu legado.
    Bjo, Célia :)

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia e fiquei maravilhada com esta homenagem tão completa e meritória.
    Vou procurar estudá-lo e, se me sentir preparada, também farei uma publicação em sua honra.
    Agradeço muito estes conhecimentos.
    Abraço, Célia.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  10. Magnífica homenagem a um grande escritor.
    Gostei de saber algumas coisas que desconhecia acerca do Ruben Alves.
    Célia, tem um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Ele fez e faz toda a diferença!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  12. Maravilhosa postagem, Célia! Interessantíssimo e carinhoso o caso dos Ipês amarelos. Sua vida rica em sentimentos e cultura, enriquece os que se dispõem a ler, pesquisar e, com sorte, frequentam blogs como o seu.
    Obrigadíssima por essa partilha, adorei ler mais sobre Ruben Alves, orgulho da literatura brasileira.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.