sábado, 10 de setembro de 2016

Poema sobre o Tempo


 “Contei meus anos e descobri

Que terei menos tempo para viver do que já tive até agora...

Tenho muito mais passado do que futuro...

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas...

As primeiras, ele chupou displicentemente...

Mas, percebendo que faltam poucas, rói o caroço...

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades...

Inquieto-me com os invejosos tentando destruir quem eles admiram.

Cobiçando seus lugares, talento e sorte...

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas

As pessoas não debatem conteúdo, apenas rótulos...

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos...

Quero a essência... Minha alma tem pressa...

Sem muitas jabuticabas na bacia

Quero viver ao lado de gente humana... muito humana...

Que não foge de sua mortalidade.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade”...


Rubem Alves

14 comentários:

  1. Esse poema é lindo e nunca cansamos de ler e/ou reler! bjs, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Amiga Célia, a escolha do texto de quem sabia da Vida e de tudo o que ela tinha de bom, pois viver é mesmo isso, saber aproveitar todo o tempo que ainda possa restar, pois nem isso sabemos, muitas vezes também pensei assim como o grande escritor que deixou rico legado.
    A Vida é isso, viver o tempo presente, pois o passado já se foi e o futuro, eu nem penso mais, cada dia a seu dia, muitas vezes até brinco dizendo que tenho pelo menos mais uns vinte anos para viver, mas isso é por saber que, há sim muitas pessoas que chegam aos noventa e ainda muito bem, a bisa dos meus netos por parte do meu genro é uma pessoa linda, ela tem 92 anos e ama a vida e vive muito bem!Estou me espelhando nela!!!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  3. Meu conhecido e tão bonito!! Boa escolha, Célia!
    «Já não tenho tempo para lidar com mediocridades...» é isso mesmo!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Maravilha de poema!
    Podia ser meu «se a tanto me ajuda(r)(sse) o engenho e arte»
    Sobscrevia-o...
    Grata pela partilha, Célia.
    Abraço.
    ~~~

    Ps~ A citação é de Camões.

    ResponderExcluir
  5. Um poema encantador
    elogios bela poetiza
    Abraços de sempre
    Rita

    ResponderExcluir
  6. Oi Célia querida, que lindeza de poesia. Sim, a cada dia vivido, temos menos tempo. Por isso cabe a nós aproveita-lo da melhor maneira possível.
    Beijos e um lindo domingo pra vc querida.

    ResponderExcluir
  7. Oi Amiga, Célia Rangel !
    Chega-se à maturidade, com a experiência
    que colhemos ao longo do caminho.
    Não há espaço para o supérfluo. Verdade !
    Parabéns pelo belo texto.
    Um carinhoso abraço, querida poetisa, aqui
    do meu Brasil.
    Sinval.
    Sinval.


    ResponderExcluir
  8. Todo dia que se passa aumenta-se o passado e reduz-se o futuro... nossa vida está sempre por um fio, não vale a pena focar em rótulos, títulos, posses. A gente é o que é, se assim não fosse, não seríamos nós. Esse é o segredo: quase ninguém se aceita do jeito que é e queria ser outra pessoa totalmente diferente.

    ResponderExcluir
  9. oi Célia, passe o tempo que passar, esse poema é sempre atual e perfeito para ser adotado como filosofia de vida. Cheio de verdades.

    ResponderExcluir
  10. Que pérola! Fico extasiado com tamanha sabedoria!
    Grande abraço Célia!

    ResponderExcluir
  11. Lindíssimo e verdadeiro, Célia. Que belo direcionamento!
    Uma boa noite.
    Abraços,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, querida Célia!
    Ainda bem que temos tempo de aproveitar o tempo sabiamente!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  13. Amo este poema! Queria fazer isto, preciso!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.