domingo, 16 de outubro de 2016

Andanças Imateriais


Ir.
Seguir  o ponto de  luz no breu da noite,
Sair do invólucro do descabido,
Sem olhar para o som alto que percorre a luz,
Para não mais voltar.
Voar longe...
Germinar  pensamentos .
Estruturar sonhos em ações,
Com revezamento da alegria com a tristeza,
Termômetro da pulsação do vivente.
Que o seu toque ressoe a magia do encontro,
Aonde ir é ser bálsamo existencial ao outro,
Na experiência vivida com aportes no amadurecimento
Percebendo que, só assim, valeu existir por algo mais...
Por você em mim, e Eu em você.

Célia Rangel

6 comentários:

  1. Olá, Célia.

    O imaterial é o real, verdadeiro transcender. O ser, o versar, seguir em frente entre desencontros e encontros no existir a caminho da luz.

    Um abração e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, querida Célia!
    Ser bálsamo existencial ao outro é o mesmo que dar sentido à nossa vida... Lindo verso!
    Bjm muito fraternal

    ResponderExcluir
  3. Preciosa sua reflexão!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. "[só assim, valeu existir por algo mais...
    Por você em mim, e Eu em você.]"
    Essa partilha do túnel da Luz é celestial. Por ela se atinge o Divino do humano.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  5. Andanças imateriais valiosas, pois todo o destino é resolvido na mente.
    Um poema arguto e muito expressivo...
    ~~~ Abraço, Célia ~~~

    ResponderExcluir
  6. Só andanças assim são realmente válidas. E na maturidade, ou mais adiante, teremos o que plantamos. "Por você em mim, Eu em você!" Tenho certeza que valeu, sim.
    Fechou lindamente, Célia.
    Beijo, um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.