quarta-feira, 27 de abril de 2016

Barra de Equilíbrio

Você já viu alguém andar numa corda esticada?

Talvez tenha notado que a pessoa carregava uma"barra de equilíbrio".

Movimentava a barra de um lado para o outro com o maior cuidado a fim de manter o equilíbrio. 

Pois bem, a vida é algo parecido. Você e eu negociamos com o curso difícil, embora diferente, de nossa vida.

Vida significa ação, e ação significa outras pessoas. Outras pessoas significam que vai haver atrito, e o atrito costuma resultar em tensão. Parte dessa tensão é útil e positiva. Parte é negativa e perniciosa. Precisamos muito de uma barra de equilíbrio.

Alguns sugerem que a administração das tensões deve ser holística, deve afetar todas as nossas partes.
Por isso deve ser abordada:

Fisicamente - fazendo exercícios físicos e tendo uma alimentação equilibrada.

Emocionalmente - expressando todos os sentimentos significativos no momento em que os temos.

Socialmente - telefonando a um amigo, indo a uma festa, encontrando-nos com as pessoas de que gostamos.

Intelectualmente - alimentando o intelecto com leituras, fazendo palavras cruzadas, indo a conferências.

Espiritualmente - admirando a beleza do mundo, ouvindo música, passando dez minutos por dia meditando ou rezando.

Fonte: Texto de Arrancar máscaras, abandonar papéis.
           As Estações do Coração - John Powell



terça-feira, 26 de abril de 2016

Eram rosas



Apaixonaram-se. Aquele era o momento mais sublime. Momento de olhar e arquivar na memória afetiva uma troca singular. Ainda desconfiança. Ainda esperança. Em outro momento, talvez. Afinal, a vida é feita de momentos. Abriu a porta. Eram amarelas. Sempre foram. Cultivavam um elo enorme de sabor romântico. Marca registrada desse contato. Às vezes intercalavam-se as vermelhas. Mas logo o retorno das amarelas.

Timbrava um encontro de outros tempos. Já havia conhecimento total entre ambos. Nada mais a ser averiguado. Apenas prosseguir vivências. Cumplicidade e sintonia totais. Caminhar de mãos dadas e pensamentos nutridos sempre. Tudo prossegue com tranquilidade quando se ama com total dedicação e desprendimento.

Fluía doces e ternos gestos e delicadezas. Até que entre Sissi e Jones interpõe-se Beth. Com sua inveja queria tais momentos para ela. Detonava a amiga, com perguntas para saber como fazer para conseguir o mesmo. Destilou uma fofoca de que Jones não era bom partido de jeito algum. Não convivia com a família, sequer visitava-a e tinha hábitos estranhos de isolamento e de quietude. Não era social.

Apimentava com seus diálogos a mente de Sissi tentando nublar seus sentimentos. Em vão. Sissi era muito fiel. Logo colocou Jones a par da situação. Riram. E curtiram muito o dissabor da estratégia furada da Beth. O que ela conseguiu foi aproximar ainda mais o casal. Enamoravam-se mais e mais. A atitude tomada de comum acordo foi afastarem-se da mesma. E, prosseguiram suas vidas.

Em pouco tempo estavam casados. Felizes. Realizados porque a cada dia buscavam reconquistarem-se. A chave desse grande amor foi nunca deixar de se olharem com olhos da primeira vez. Alimentavam-se de carinho. De compreensão. De perdão. De bom humor. Nos momentos de tensão do dia a dia sabiam manter o necessário espaço da individualidade. Respeitavam-se.

Momento tão sólido e duradouro que ainda hoje, amam-se e na troca de delicadezas e ternuras solidificam a eternidade amorosa de muitos momentos eternos.


Célia Rangel - (repost)

sábado, 23 de abril de 2016

Momentos Filosóficos

O Difícil Caminho para a Liberdade e a Maturidade

 Seria maravilhoso se o desenvolvimento pessoal ocorresse de maneira fácil e agradável - e talvez seja assim para alguns sortudos. Mas não raro o caminho do desenvolvimento para nos tornarmos a pessoa que queremos ser - é antes tortuoso e desencorajador.

 Nietzsche conta a história de seu próprio desenvolvimento como uma espécie de fábula. E a lição fala de coragem frente às dificuldades. É normal, diz ele, ter dificuldade de crescer. O motivo principal é que liberdade envolve separação: temos de deixar para trás as coisas mais queridas, e deixá-las é tão difícil que, talvez, seja necessário voltar-se contra elas por um tempo - o que parece insensível e mau, mas não o é na realidade.

 Para os pais, é uma lição dura, mas em última análise reconfortante. Os filhos podem passar por um período em que os rejeitam e a tudo que lhes parece valioso. Mas não o fazem por odiá-los, e sim por amá-los; e para conquistar a liberdade - para se tornar independentes - eles precisam romper amarras. Para uma pessoa amorosa, romper esses laços é tão difícil que por um período ela precisa tornar-se violenta e cruel. 

 Nietzsche não pode facilitar as coisas, mas as torna um pouco menos dolorosas.

 Fonte: *Lições de Vida - Nietzsche - Armstrong, John

*Excelente leitura para profundos questionamentos.


Célia Rangel  

domingo, 17 de abril de 2016

Reflexão!

A primeira intenção

Volta e meia nos sentimos magoados porque descobrimos que fomos enganados. Alguém, em quem confiamos, agiu com segunda intenção. Revelou nossos segredos ou deturpou nossas palavras. Outras vezes, ficamos sabendo que alguém se tornou nosso amigo só para conseguir favores. As chantagens emocionais também estão impregnadas de segundas intenções. O puxa-saquismo, igualmente. Da mesma forma, a fofoca. Dói saber que exploraram nossa inocência, ou nossa confiança, ou nossa fraqueza. Sentimo-nos usados e desrespeitados.

Os relacionamentos oferecem esses riscos. A raiva é normal, e justa, mas não há motivo para desacreditar nas relações humanas. Precisamos apenas tomar mais cuidado com a escolha dos amigos e com o uso das palavras. O Evangelho nos diz que precisamos ser "simples como as pombas e prudentes como as serpentes". Por questão de ética, é melhor ser enganado do que enganar. O perdão e a transparência são atitudes cristãs que retomam a paz e purificam os relacionamentos.

A segunda intenção, geralmente vinculada à falta de ética e à pouca transparência, tem dimensões graves e atinge muitos campos. Tão habitual é essa prática que quase nunca temos consciência do nosso envolvimento, ou como vítimas, ou como culpados.

Na política, por exemplo, os candidatos nos prometem o paraíso na tentativa de atrair o nosso voto. Nós, eleitores, também fazemos uso da segunda intenção quando optamos por alguém que nos proporcione benefícios individuais ou familiares, em vez de sociais.

No comércio, o anúncio comercial nos convence de que, para sermos felizes, precisamos de tal produto e de tal marca, e, depois, descobrimos que o objetivo era apenas empurrar-nos a mercadoria.

A religião, vez ou outra, nos convence de que pensar ou agir de determinada maneira é vontade de Deus; porém, em algum momento, tomamos ciência de que era apenas um ponto de vista ou interesse do líder religioso.

Pagamos impostos na esperança de que o dinheiro seja bem usado na solução de problemas sociais. Contudo, o tempo passa e os problemas aumentam. E constatamos que o dinheiro foi destinado a outra finalidade.

Algumas escolas divulgam números exorbitantes de aprovados no vestibular, e, em seguida, analisando os números e as vagas, damo-nos conta de que desejavam somente nos vender a falsa imagem de competência, transformando a educação em mercadoria.

A globalização do comércio, diante da crise do Planeta, criou o conceito do desenvolvimento sustentável, passando-nos a noção de que se preocupa com a ecologia; entretanto, não passa de uma estratégia de perpetuar-se e de expandir-se, assim como o berne que, diante da vaca doente, encontra um jeito de mantê-la viva, única condição de ele também continuar vivo e procriar.

A primeira intenção existe? Sim. Porque nem sempre agimos por interesse próprio. Como não somos anjos, algumas circunstâncias podem nos conduzir às segundas intenções.

No entanto, somente Deus, em todas as condições, sem cessar, age apenas com a primeira intenção, porque seu amor é gratuito, é incondicional, é ilimitado.

Lauro Daros


sábado, 16 de abril de 2016

Charlie Chaplin

Poema de Charlie Chaplin, escrito no seu 70º aniversário,
em 16 de abril de 1959:

Quando comecei a amar-me
Eu entendi que em qualquer momento da vida, estou sempre
no lugar certo na hora certa.
Compreendi que tudo o que acontece está correto.
Desde então, eu fiquei mais calmo.
Hoje eu sei que isso se chama CONFIANÇA.

Quando eu comecei a me amar, entendi o quanto isso pode ofender alguém
Quando eu tentei impor minha vontade sobre esta pessoa,
Mesmo sabendo que não era o momento certo e a pessoa não estava preparada para isso,
E que, muitas vezes, essa pessoa era eu mesmo.
Hoje, sei que isto significa DESAPEGO.

Quando comecei a amar-me
Eu pude compreender que dor emocional e tristeza
são apenas avisos para que eu não viva contra minha própria verdade.
Hoje, sei que a isso se dá o nome de AUTENTICIDADE.

Quando comecei a amar-me
Eu parei de ansiar por outra vida
e percebi que tudo ao meu redor é um convite ao crescimento.
Hoje eu sei que isso se chama MATURIDADE.

Quando comecei a amar-me
Parei de privar-me do meu tempo livre
e parei de traçar magníficos projetos para o futuro.
Hoje faço apenas o que é diversão e alegria para mim,
o que eu amo e o que deixa meu coração contente,
do meu jeito e no meu tempo.
Hoje eu sei que isso se chama HONESTIDADE.

Tratei de  fugir de tudo o que não é saudável para mim,
de alimentos, coisas, pessoas, situações
e de tudo que me puxava para baixo e para longe de mim mesmo.
No início, pensava ser "egoísmo saudável",
Mas hoje eu sei que se trata de AMOR PRÓPRIO.

Quando comecei a amar-me
Parei de querer  ter sempre razão
Dessa forma, cometi menos enganos.
Hoje eu reconheço que isso se chama HUMILDADE.

Quando comecei a amar-me
Recusei-me a viver no passado
e preocupar-me com meu futuro.
Agora eu vivo somente  este momento onde tudo acontece.
Assim que eu vivo todos os dias e isto se chama CONSCIÊNCIA.

Quando comecei a amar-me
Reconheci, que meus pensamentos
podem me fazer infeliz e doente.
Quando eu precisei da minha força interior,
minha mente encontrou um importante parceiro.
Hoje eu chamo esta conexão de SABEDORIA DO CORAÇÃO.

Não preciso mais temer discussões,
conflitos e problemas comigo mesmo e com os outros,
pois até as estrelas às vezes chocam-se umas contra as outras
e criam novos mundos.
Hoje eu sei que isto é VIDA!

(colaboração: Ir. Lauro Daros)

sexta-feira, 15 de abril de 2016

terça-feira, 12 de abril de 2016

Na Tela Digital


Reproduzo uma pessoa um tanto muda,
Seria eu?
Muito pacífica, compreensiva, desbotada,
Seria eu?
Traços mapeados pelas marcas da vida,
Seria eu?
Displicente, irreverente, abnegada,
Seria eu?
Onde se perdeu aquela outra?
Quem a roubou de mim?
Não percebi tamanho estrago!
Seria eu?
A mente, mente dizendo que não sou eu.
Mas, o físico mostra toda a fragilidade do viver.
Seria eu?
Sim, é você em tantas décadas já vividas.
Queria mais o quê?
Ah!  - Viver demasiadamente todos os minutos.
Sorver sabores amorosos no melhor dos dias!
Seria eu?
Essa sou eu.


Célia Rangel


sábado, 9 de abril de 2016

APENAS MORTAIS


Viver a letargia do amor,
É não viver.

Desprover-se de toda aspiração,
É não sonhar.

Reduzir ao nada as sensações,
É afogar no peito as carícias.

Liberar sentimentos em serenidade,
É dar vida ao amor sagrado.

Consagrar na virtude maior, lembranças infindas,
É perpetuar o encantamento.

Insultar um amor tão nobre que une,
É impingir falsidade no sentir.

Domar a prepotência e impulsos hostis,
É poder desfrutar da simplicidade e autenticidade da vida.

Se dermos espaço ao outro ou não,
Ainda assim, continuaremos todos,
Sendo apenas mortais.


Célia Rangel


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Chegando



Você está sempre chegando,
Vindo ao encontro de quê?
Olhar de busca,
De apreensão,
De acomodação.
Você sabe que te espero.
Que te curto.
Que te cubro de atenções.
Que sempre estou pronta,
A te seguir,
A te suprir.
Com os teus desejos refaço os meus,
Anulo minhas preferências,
Pois você,
É a minha referência
De vida.
De ficar no meu celestial:
Sonhando,
Chegando,
Partindo...


Célia Rangel

quinta-feira, 7 de abril de 2016

País doente... em estruturas básicas...

No dia 07 de abril comemora-se o Dia Mundial da Saúde, data criada em 1948 pela Assembleia Mundial da Saúde que tem como objetivo conscientizar a população a respeito da qualidade de vida e dos diferentes fatores que afetam a saúde populacional. Essa data foi estabelecida para coincidir com a data de fundação da Organização Mundial da Saúde.
Todos os anos campanhas são realizadas a respeito de um tema diretamente relacionado com a saúde. Essas ações são importantes para que a população aprenda a se cuidar e informe-se sobre seus direitos quando o assunto é promoção da saúde.
É fundamental que, além de cuidarmos da nossa saúde, participemos da luta por melhorias em nosso país. Vale destacar que não devemos procurar melhorias apenas em hospitais, devemos lutar por mais segurança, educação, lazer, cultura, entre vários outros direitos básicos e fundamentais para o nosso completo bem-estar.
Fonte: SANTOS, Vanessa Sardinha Dos. "07 de abril — Dia Mundial da Saúde"; Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 07 de abril de 2016.

Quando vemos filas, abandono total, seres humanos tratados como indigentes... Comemorar o quê?  A população não tem acesso a hospitais e clínicas de grife para tratamento... Eles, têm! Portanto, não avaliam o que é uma fila de SUS e de UPA... Infelizmente...
Célia Rangel

terça-feira, 5 de abril de 2016

Lidando com o Conflito

Nietzsche diz que existe um conflito básico na origem da vida. Por um lado, queremos ordem, calma, razão e dignidade. Queremos estar no controle.

Queremos equilibrar nossas finanças, manter a cozinha limpa, cumprir horários, ticar cada item da lista de tarefas, fazer refeições saudáveis e moderadas (e no fim das contas ter uma vida "de sonho"). 

Por outro lado, há um anseio de libertação, de alegria desenfreada e desejo irrestrito.

Podemos alcançar a dignidade dando nomes de respeito a ambos os lados do conflito.

Fonte: Lições de Vida: Nietzsche - John Armstrong - (recomendo)



E... então?

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Refletindo sobre a arte de ser poeta...

LIMITES DA CONVERSAÇÃO

Caderno H - Mario Quintana

Há certas coisas que não haveria mesmo ocasião de as colocarmos sensatamente numa conversa - e que só num poema estão no seu lugar.

Deve ser por esse motivo que alguns de nós começaram, um dia, a fazer versos.

Um modo muito curioso de falar sozinho, como se vê, mas o único modo de certas coisas caírem no ouvido certo.


domingo, 3 de abril de 2016

Um Domingo Esportivo!





Prass pega pênalti, e Palmeiras ressurge com vitória no Derby


Valeu!


INFELIZMENTE... NEM TODOS SABEM TORCER COM DIGNIDADE E

 RESPEITO À VIDA!



Competição sadia

ISSO É GARRA... UNIÃO... LUTA POR UM IDEAL...

 DESISTIR JAMAIS!!

PARABÉNS ÀS EQUIPES!




VALEU A TORCIDA!

sábado, 2 de abril de 2016

ANINHANDO VIDAS...


NA ALEGRIA CALIBRO EMOÇÕES

NA TRISTEZA MEDITO

NA SABEDORIA REVEJO LIÇÕES

NO AMOR REVIGORO-ME

POIS É ONDE SOU COMO SOU

E ENTENDO MEUS SENTIMENTOS

AO TEMPO QUE DURAM

NO SILÊNCIO EM QUE A VIDA ACONTECE

ACOLHO A CADA UM

EM MEU NINHO DE SONHOS...


Célia Rangel