segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Suavidade



Dentro
Obscuro / quente

Fora
Luz / gélido

Atração
Por mais que fuja
Caio dentro

Realidade
Por mais que negue
Vivo fora

Contágio
Temperatura / corpos
Dentro ou fora

Verdade
Transpira no olhar

Palavras desgastam o momento
Silencio-me
E tudo faço entender

Há um ser que vê
E outro que sente
Deixo fluir

Só assim nessa viagem
Ainda que ilusória
Posso ser feliz

Calada
Simplesmente calada


Célia Rangel


5 comentários:

  1. Quanta profundidade nesses teus belos versos,Célia! bjs, tuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Há momentos que é necessário o silêncio.
    Feliz Ano Novo!!!


    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Já de volta aqui, querida Célia! Depois de tanta canseira... ah, como é bom a tranquilidade lendo os amigos... Quanto ao último verso... só há lucro, você lembra daquele provérbio que diz: a palavra é de prata, mas o silêncio é de ouro? Nada tão certo!
    Palavras desgastam o momento
    Silencio-me
    E tudo faço entender

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. "
    Realidade
    Por mais que negue
    Vivo fora"

    também vivo fora da realidade, é sempre bom criar algo alternativo pra podermos fugir...

    ResponderExcluir
  5. Então, não digo nada...
    Abraço, Célia.
    ~~~~~~~~

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.