terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Gestos




Guardo em mim cada minuto vivido

Completo minha saudade em momentos alegres

A tristeza envelopo-a para um depois

Com palavras e gestos dignifico meu viver

Sinto o gozo da vida – uma vida completa

Não fujo aos dissabores – poetizo-os

Ao sabor do sol na face contemplo

O instante que existe para ser desfrutado

À luz do luar preencho-me de sentimentos e amores

Assim, vivencio meus dias construindo sempre

O bom e o bem

Do mau e mal quero me distanciar cada vez mais

É meu canto que hoje sobressai na minha voz

Depois estarei muda – ficará presente a ternura amiga.



Célia Rangel






8 comentários:

  1. Muito melhor a ternura do que o mal e amargor..Linda! bjs, tuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Célia Rangel

    Boa fotografia da vida, traçada em poesia. Na verdade a vida para ser vida, sempre terá abatises a remover.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Cada minuto é uma riqueza que não devemos desperdiçar! Grande abraço Célia!

    ResponderExcluir
  4. Um poema edificante e belíssimo...
    Dias felizes, Célia.
    Beijos.
    ~~~

    ResponderExcluir
  5. O baú da memoria guarda muitas coisas, especiais ou não. Depende de nós se vamos limpa-lo ou não. Lindo poema, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Ternura amiga, quem não precisa? É o que nos move! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá Célia! Conheci sua poesia no blogue do amigo Majo Dutra e tive vontade de prosseguir este caminho de ternura e engavetar ou sublimar a parte negativa da vida.
    Beijinho.
    Teresa

    ResponderExcluir
  8. Muito lindo Célia, há uma busca maravilhosa do ser sobre o ter e deixar o melhor de nós, que deveria ser o motivo para nos nortear neste plano.
    Linda inspiração.
    Abraços com carinho.
    Bju no coração.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.