quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Nada a perder



Meu nascer pode não ter sido por amor
Mas vim para amar e despejar amor no mundo
Há corações que recebem e partilham
Há outros sonolentos e preguiçosos
Que não veem e não se deixam contagiar
Se puder, sinta que isso não é fraqueza
Estar aberta à paixão, ao envolvimento
É jamais desolar-se pelo que não fez
É deixar calar em seu âmago, o arrepio da emoção
No tempo destinado à vida que tudo comporta
Melhor, muito melhor apaixonar-se pelo amor
Ainda que seja em outro outono, mais acolhedor
Que ora triste, ora feliz delineia-se nos sulcos do rosto
Onde meus olhos reconhecem cada um pelo nome
São evidencias das marcas da vida – não de folha seca
Pois, do que eu podo renascem focos brilhantes
Marca de uma ação amorosa vital como me relaciono
Tudo é som, é vida, é afago, é a minha porção melhor
Que segue em caminhos de encontros inesquecíveis
Todos retidos na memória do coração.



Célia Rangel













16 comentários:

  1. O amor é o que move o mundo! Devemos importar mais com ele! Grande abraço Célia!

    ResponderExcluir
  2. Meu nascer pode não ter sido por amor
    Mas vim para amar e despejar amor no mundo
    Há corações que recebem e partilham


    Dá vontade de grifar todo o seu poema, Célia.
    Aí está a vantagem da maturidade. Também não trocaria nada do que sou agora, como vejo, como penso, por uma época em que a juventude se fazia mais presente. O amadurecimento tem o seu encanto, amiga!
    Gostei muito.

    beijo!

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo e na certa vieste pra dar muito amos...és doce e querida! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Olá, Célia.

    A vida, o amor... Apesar de todos os possíveis pesares. Sempre trazem ganhos na equação do existir.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Ah, sim, o coração tem memória, quem disse que não?
    Grande abraço, Célia!

    ResponderExcluir
  6. A vida deve ser feita de amor, mesmo que antes do nascer o amor não tenha existido.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Continuação de boa semana e bom Carnaval, amiga Célia.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Celia, lindo seu poema! Penso que no final o amor é o objetivo de tudo! Bjs

    ResponderExcluir
  8. De uma beleza ibexcedível!
    Emocionante... comovente...
    Adorei, Célia.
    Terno abraço.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  9. OI CÉLIA!
    NADA PERDEMOS, GANHAMOS, QUANDO FAZEMOS DE NOSSAS VIDAS ALGO DE VERDADEIRAMENTE REAL, COM SEUS ALTOS E BAIXOS, COM LÁGRIMAS E RISOS, TUDO VIVENCIADO COM NOSSO MELHOR.
    QUE LINDO TEXTO, AMIGA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ninguém nasce por acaso, tudo é propósito.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  11. A Vida é direito de nascer,
    De ser Amor e crer que ele existe.
    Retiramos, dele, força que resiste
    Como se fora um novo amanhecer.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  12. Nossa, Célia Rangel !
    Li o teu texto e esqueci de respirar...
    Puxa vida, é só verdade !
    Parabéns, querida.
    Um caloroso abraço, aqui do Brasil.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, querida Célia!
    A memória do coração nos permite perdoar pois nos traz belos motivos de gratidão a Deus por inúmeros benefícios... o saldo sempre é positivo... dá pra esquecer o negativo sim... poetar com singeleza de alma e beleza nos versos como faz...
    Bjm muito fraternal

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, Célia.
    Belíssimo.
    Nascer para dar amor e seguir em frente apesar de tudo é sinônimo de fortaleza.
    Coração aberto ao sentimento de amor é algo puro e singelo.
    Tudo de bom.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  15. "Morreremos apenas quando o amor nos assustar mais do que a morte". Lembrei-me disto ao ler o seu belíssimo poema sobre o amor. Nascer e viver para sentir e dar amor. Apaixonar-se pelo amor. Que maravilha!
    Uma boa semana.
    Um beijo, amiga.

    ResponderExcluir
  16. Belíssimo Célia! Ótima Inspiração!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.