quinta-feira, 2 de março de 2017

Concessões




Na cor do meu tom de voz

Rubro como meu coração

Ultrapasso limites

Envolvo-me com a vida

Jogando-me de corpo e alma

No desconhecido

Faço e recebo concessões

Afinando com o aprendizado poético

O ambiente da mente e do coração

Transformo em oferendas

Minha integridade e transparência

Transgredindo normas

Sendo apenas eu tão somente

Na sobrevida de sempre amar



Célia Rangel



10 comentários:

  1. Olá Célia.
    Gostei muito do seu "Concessões", um belo poema. Parabéns.
    Abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
  2. Amar e sempre amar e até nisso concessões são por vezes feitas! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Por amor fazem-se muitas concessões...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Continuação de uma óptima semana, a miga Célia.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Tudo está interligado em concessões!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Amiga querida, Célia Rangel !
    Tudo o que se espera de uma entrega
    de corpo e alma, por amor, está
    consignado em teu poema.
    Ao le-lo, vi as lágrimas de
    felicidade escorrendo em tua face,
    misturando-se as minhas !
    Um fraterno abraço, aqui do Brasil.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  6. Ir mais longe é tentar amar! lindo post, beijão

    ResponderExcluir
  7. Ah, quanta concessão por e para se amar!...
    Reflexão poética de grande valor.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  8. Concessões podem ser doações - puras emoções que unem corações...
    Um belo poema onde sobressai a expressividade e delicadeza de sentires...
    Abraço, estimada Célia.
    ~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.