domingo, 23 de abril de 2017

Refúgio






Devaneio de verão - ardente

Não pensei - mergulhei

Sem nenhuma proteção

No veraneio do meu coração

Plantei e abriguei o amor

Na cabana de nosso refúgio – o olhar

Falamos no silêncio do nosso coração

Ainda que venham outonos e invernos

Sempre nos aqueceremos no sol do nosso amor 





Célia Rangel



9 comentários:

  1. No amor não há que pensar muito... É mergulhar, mesmo. :)
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  2. Lindo esse amor que aquece sempre! Ótimo domingo! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Que bonito poema! Bela escolha na foto! Amei.

    Beijinhos e um Bom Domingo.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Ah... que lindo, Célia!
    Você traz em si um doce e lindo traço de romantismo.
    "Na cabana de nosso refúgio – o olhar" - Muito belo!!!!
    Parabéns pelo adorável poema!
    Tenha um feliz domingo!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema que eterniza, de fato, momentos felizes na vida e imagem condizente com a essência da poesia. Um domingo abençoado, abraços!

    ResponderExcluir
  6. Quem não necessita de um refúgio não é mesmo?
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. É tão belo, caloroso e confortante um amor assim absoluto e
    harmonioso!
    Como gosto da poesia feliz! De facto, encontramos mais poesia
    triste do que esperançosa e incentivadora como a sua.
    Una ótima semana.
    Abraço. Célia.
    ~~~

    ResponderExcluir
  8. Escrever assim sobre o amor é uma forma de lucidez. Gostei muito do poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.