sábado, 11 de novembro de 2017

Tudo é efêmero


A ternura das horas em que pairo nas nuvens
embalam-me, transformando energia em
liberdade e prazer.

Alegrias e sonhos, saudades ou tristezas
converto em energia amorosa,
que o tempo se incumbe em celebrar.

Prezo todos os momentos da vida
onde construo com sensibilidade,
euforia mental com palavras impublicáveis.

É o meu momento de catarse
em que expurgo o mal e o mau
na seleção do bem para mim.

Emudeço, construindo novos pilares,
que me sustentarão nos conflitos,
com ato inaugural meditativo.

Ainda, sob a censura de alguns olhares,
desvencilho-me das hipocrisias,
e vivo solenemente meu catálogo de escolhas.

Simples é a ‘simplicidade’ da vida
e a transformação deverá ser suave e bem dosada,
sem choques de civilização, apenas, o encontro com minha alma.

Célia Rangel


12 comentários:

  1. Entrar em contato com nossa essência e nela reside a simplicidade que tanto bem faz! Adorei! beijos, lindo findi! chica

    ResponderExcluir
  2. Querida Celiamiga

    Creio que é a primeira vez que te comento; certo que haverá mais pois pelo exemplo deste poema é tiro e queda :-))))))))))))

    Qjs do
    Henrique, o Leãozão

    ResponderExcluir
  3. Nessa passagem efêmera
    Leio-te as entrelinhas da alma
    Onde a sabedoria repousa plácida e serena.
    Tão simples quanto à simplicidade da vida
    Guardando em teus recônditos
    Teus pilares cheios de introspeção...

    Abraço fraterno!

    ResponderExcluir
  4. Querida Célia! Toda poesia é linda e me encantou por isso destaco, Alegrias e sonhos, saudades ou tristezas
    converto em energia amorosa,
    que o tempo se incumbe em celebrar.

    Tudo é efêmero nessa vida, as alegrias passam, as dores passam... O que não pode ser efêmera é a nossa esperança. Tenha um abençoado fim de semana. Bjus

    ResponderExcluir
  5. Tudo é efêmero, tudo passa, mas os bons momentos ficam e devemos tirar de experiência tudo o que nos acontece. Gostei muito do seu poema, é lindo, leve e fascinante.
    Tenha um bom domingo!

    ResponderExcluir
  6. Um poema de quem sabe recolher-se dentro de si para apreciar cada momento vivido em simples autenticidade... Magnífico, Célia!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. "Simples é a ‘simplicidade’ da vida", o resto é o resto e as complicações que queiram se impor e inventar.

    Um abraço, Célia. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  8. Lindo, profundo e muito reflexivo seu poema e os versos que destaco para enfatizar o meu comentário, bem como dizer que os mesmos tocaram minha alma:
    Ainda, sob a censura de alguns olhares,
    desvencilho-me das hipocrisias,
    e vivo solenemente meu catálogo de escolhas.
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  9. Tudo é efémero, na verdade. E, por isso, vale a pena ser autêntico.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Bom fim de semana, amiga Célia.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. O que nos passa pela vida, passa mesmo. Nada temos que seja permanente e eternamente duradouro.
    Poema muito sentido. Comungo-o contigo.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  11. A vida é "descomplicada"
    E a complicamos, por ser
    Simples, a vida, e o prazer
    Tão efêmero quanto nada.

    Assim, palmilhada a estrada,
    Queremos que o próprio ser
    Que somos, possa entender
    A vida e a nossa jornada.

    Tudo na vida é alheio
    Até por quê que se veio
    E o que fazer nesse mundo...

    Creio sem demais rodeio
    Que por rodeios eu creio
    Crer em tudo - bem no fundo.

    Belíssimo poema o seu, Célia! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.