sábado, 13 de janeiro de 2018

De repente...


Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.


Vinícius de Moraes

11 comentários:

  1. Vinícius de Morais sendo incrível como sempre. Como é triste e dolorosa a separação, que por vezes acaba sendo um alívio.

    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. Era muito amigo dos seus amigos...
    «Eu poderia, embora sem dor, perder todos os meus amores, mas morreria se perdesse todos os meus amigos.
    O soneto é belíssimo. Gostei muito de o reler, tanto mais que prezo muito a amizade.
    Excelente opção de leitura neste fim de semana que lhe desejo ótimo.
    Abraço, Célia-
    ~~~

    ResponderExcluir
  3. Lindo e triste...Separações sempre doem...bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga!
    Hoje como estou evitando ficar digitando devido está melhorando da tendinite, para que ela não volte, estou passando para deixar o meu carinho e lhe desejar um fim de semana feliz, com muita saúde e paz.
    Deixo também esse pensamento que que uma amiga me enviou e nos leva a reflexão.
    “Semeei flores... colherá o perfume. Semeei o carinho... colherá a amizade. Semeei sorrisos... colherá a alegria. Semeei a verdade... colherá a confiança. Semeei a vida... colherá milagres. Semeei a fé... colherá a certeza. Semeei o amor... colherá a felicidade”
    Abraços da amiga Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  5. De repente, toda a nossa vida pode mudar, esperemos sempre que seja para melhor.
    Um poema lindo, excelente escolha.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  6. Adoro esse soneto. Linda partilha.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Báh...!! Vinício é sempre 'momento', sempre atualíssimo, seus sonetos têm a sua marca, de longe reconhecemos. Sempre maravilhoso encontrá-lo nos blogs amigos!
    Ótimo, Célia, Beijo, uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  8. Recordo, com muito prazer, este Soneto muito nobre do Vinícius.
    O Amor pode transformar tudo, até numa amizade imperdível.
    Bela escolha, Célia.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga Célia, que escolha maravilhosa, amo os sonetos de Vinícius de Morais, tem um outro que também me encanta, "Soneto de Fidelidade"!
    Abraços apertados com votos de feliz ano novo!

    ResponderExcluir
  10. Só um poeta com a sensibilidade de Vinícius de Moraes, faria um soneto assim... Sei-o se cor e gostei de o encontrar aqui.
    Uma boa semana.
    Um beijo, minha Amiga.

    ResponderExcluir
  11. Majestoso esse soneto de Vinicius, sou fã dele!
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir

Seu comentário evidencia o seu 'pensar'.
Saiba que aprendo muito com você.
Obrigada, meu abraço,
Célia Rangel,
Autora responsável pelo blog.
Obs.: NÃO POSTAREI COMENTÁRIOS ANÔNIMOS.